A mulher e o diabetes – direito a um futuro saudável
17 de março de 2018
5 sinais de que você precisa usar óculos
17 de março de 2018

O que é ceratocone?

A palavra ceratocone é derivada de duas palavras gregas: Kerato – que significa córnea; e Konos – que significa cone. Desta forma, como o próprio nome diz, no ceratocone a córnea sofre um afinamento progressivo da porção central, adquirindo o formato de cone.



Quais os sintomas?

À medida que a córnea vai se tornando afinada, o paciente percebe que a visão está borrada e distorcida, a qual pode ser moderada ou severa, dependendo da quantidade do tecido corneano afetado. Ocorrem modificações freqüentes nas prescrições dos seus óculos em curto período de tempo e, além disso, os óculos já não fornecem uma correção visual satisfatória.

É muito comum o paciente apresentar prurido ocular, diplopia (visão dupla), halos em torno das luzes e fotofobia (sensibilidade anormal à luz) no olho afetado.

  Qual é a incidência e a evolução da doença

Sua incidência é de aproximadamente 54,4 casos para cada 100.000 habitantes.

O ceratocone inicia-se geralmente na adolescência, em média por volta dos 16 anos de idade, embora tenha sido relatado casos de início aos 6 anos de idade. Raramente o ceratocone desenvolve-se após os 30 anos de idade. O ceratocone afeta homens e mulheres em igual proporção segundo estudos mais recentes e em 90 % dos casos afeta ambos os olhos.

Em geral a doença desenvolve-se assimetricamente, sendo um olho sempre mais acometido do que o outro.

A doença progride ativamente por 5 a 10 anos, e então pode estabilizar-se. Durante o estágio ativo as mudanças podem ser rápidas e severas.

Qual a causa do ceratocone

Sabe-se pouco a respeito das causas que levam ao ceratocone. Alguns casos podem ter componente hereditário, embora a maioria dos casos não apresente história familiar da doença.

O ceratocone pode associar-se a outras patologias. Sabe-se que um número considerável de pacientes com ceratocone tem um componente alérgico associado e o ato de coçar os olhos contribuiria como causa e evolução do ceratocone. Paciente com Síndrome de Down tem probabilidade significativa maior de desenvolver ceratocone, provavelmente devido à associação com o cromossomo 21. Pacientes que foram submetidos a Cirurgia Refrativa (Laser) para não utilizar mais óculos e onde o tecido corneano residual for muito fino, tem uma maior chance de desenvolver ceratocone pelo afinamento corneano.

Diagnóstico do ceratocone?

O diagnóstico definitivo de ceratocone é feito com base nas características clínicas e com exames objetivos como a topografia corneana. Em nosso serviço, dispomos do mais avançado equipamento para diagnóstico precoce do ceratocone, o Tomógrafo de Segmento Anterior Galilei G4 (Ziemer).

  Quais são as opções de tratamento disponíveis

O tratamento do ceratocone depende da severidade da doença.
  1. Correção óptica com óculos ou Lentes de Contato:
Nos ceratocones iniciais, o óculos corrige satisfatoriamente a miopia e astigmatismo. Entretanto, à medida que a doença progride a visão não é mais adequadamente corrigida e requer o uso de lentes de contato rígidas ou esclerais, para fornecer uma visão satisfatória. Hoje, com as novas tecnologias em lentes de contato, conseguimos proporcionar uma melhor acuidade visual associado a um maior conforto.

  1. Tratamentos cirúrgicos: quando as lentes de contato não fornecem boa visão ou há intolerância ao uso das lentes de contato, está indicado o tratamento cirúrgico.
  • Collagen Crosslinking: esta terapia chamada “collagen crosslinking”, consiste na utilização do medicamento riboflavina e na aplicação concomitante de radiação ultravioleta. O objetivo deste tratamento é fazer com que haja um aumento da resistência biomecânica da córnea, interrompendo assim, a evolução do ceratocone. Os resultados têm sido promissores e sua indicação tem sido para os casos de ceratocone leves a moderados que apresentam-se em evolução. É importante salientar que o Crosslinking não tem o objetivo de melhorar a visão, e sim, de estacionar a doença. Portanto, ceratocones que não estão em evolução, ou que já estão extremamente avançados, não tem a indicação de realizar este procedimento.
 
  • Anel de Ferrara ou Intacs: este procedimento envolve o implante de um disco acrílico entre as camadas da córnea com a finalidade de aplaná-la e trazê-la à sua forma natural. Diferentemente dos transplantes, os anéis corrigem mais rapidamente a baixa visual do paciente com ceratocone. Outros benefícios incluem o rápido retorno às atividades cotidianas em poucos dias e uma visão mais natural em relação àquela fornecida pelo transplante de córnea. O candidato ideal ao procedimento com anel é aquele incapaz de usar óculos ou lentes de contato, e com alterações leves da córnea. Importante salientar que esta cirurgia não tem a capacidade de interromper a evolução do ceratocone. Muitas vezes, é realizado o implante de anéis para melhorar a visão associado a cirurgia de Crosslinking para estabilizar a evolução da doença.
 
  • Transplante de Córnea: neste procedimento, a córnea com ceratocone é removida e então a córnea do doador é recolocada e suturada no receptor. A recuperação é lenta e geralmente é necessário o uso de óculos ou lentes de contato ou até mesmo Cirurgia Refrativa a Laser para fornecer uma melhor acuidade visual. Está indicado para os casos que apresentam grande alteração na córnea, onde a lente de contato ou o implante de anéis não foram eficientes na recuperação da visão. Sabe-se que 10% a 20% dos pacientes com ceratocone são candidatos ao transplante de córnea.


Dr. Éber Dal Molin – CRM 19393 Oftalmologista  


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *