Deslocamento de retina: o que é e como tratar?

10 dicas para acertar na escolha dos óculos
30 de janeiro de 2019
Presbiopia, o que é?
22 de fevereiro de 2019

Deslocamento de retina: o que é e como tratar?

A retina é uma membrana muito fina, flexível e delicada que reveste a superfície interna da parte posterior do globo ocular e não possui nenhum elemento de fixação especial que a prenda ao globo ocular.

Descolamento de retina é uma alteração que se caracteriza pelo desprendimento dessa estrutura da superfície interna do globo ocular e interrompe o fornecimento de nutrientes e promove a degeneração celular. O descolamento da retina é uma urgência médica, pode evoluir para perda total da visão.

Causas
Pode ser provocado por uma ruptura por onde penetra o vítreo que se deposita entre o globo ocular e a própria retina. Pode ocorrer, também, por tração ou repuxamento na região da retina onde se formaram aderências em virtude de alterações no vítreo e vasos ou, ainda, podem ser provocados por tumores ou doenças inflamatórias que favorecem o acúmulo do fluido sob a retina.

Fatores de risco
Pode ocorrer em qualquer idade, mas costumam ser mais frequentes depois dos 40 anos. Os principais fatores de risco para a enfermidade são: alto grau de miopia, cirurgia anterior de catarata, glaucoma, trauma nos olhos, na face
ou na cabeça, diabetes descompensado, tumores, processos inflamatórios, história familiar da doença, degeneração do vítreo própria do envelhecimento.

Sintomas
Não está associado a nenhum processo doloroso. Os sintomas são outros: visão turva e embaçada, sombra central ou periférica dependendo da região da retina afetada, que progride à medida que o deslocamento evolui, flashes luminosos (fotopsias), “moscas volantes”, isto é, a sensação de insetos voando diante dos olhos e, nos casos mais graves, perda total da visão.

Tratamento
A indicação do tratamento depende diretamente do tipo, gravidade e extensão do descolamento. Fotocoagulação com laser e criopexia (congelamento) são recursos terapêuticos para os casos em que não houve infiltração do vítreo pelo espaço que se abriu com a ruptura da retina.
Nos outros quadros, o tratamento é cirúrgico. Cirurgia que utiliza equipamentos de alta tecnologia, chamada vitrectomia posterior.

 

Por Dr. Cristiano Toesca Espinhosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *