• Anormalidades oculares em recém-nascidos com microcefalia relacionada à Zika Vírus.

    No ano de 2015 e até os dias atuais, tem-se identificado o aumento no número de casos de microcefalia. Esta malformação fora associada pelo Ministério da Saúde à transmissão vertical do Zika Vírus.

    A publicação de Janeiro/Fevereiro da revista dos Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, traz um artigo que demonstra a presença de anormalidades oculares em recém-nascidos com microcefalia relacionada à Zika Vírus.

    As principais anormalidades oculares encontradas estavam relacionadas à retina, 75% dos casos; e ao nervo óptico, 45% dos casos. É importante salientar que estas alterações tendem a causar um enorme prejuízo no desenvolvimento da visão, podendo levar até mesmo a cegueira. Foram realizados exames de diagnóstico diferencial com outras doenças que poderiam causar alterações oculares semelhantes às encontradas, porém, todas deram negativas.

    As mães dos recém-nascidos não apresentaram sintomas de alteração ocular. Somente os sintomas tradicionais relacionados ao Zika Vírus, como mal-estar, rash e dor nas articulações.

    Sendo assim, chega-se a conclusão de que o Zika Vírus, nos recém-nascidos, além das alterações neurológicas relacionadas a microcefalia, esteja causando, também, importantes alterações oftalmológicas em um número significativo dos recém-nascidos avaliados.

    Estudos futuros serão necessários para avaliar a importância destas alterações visuais.

    Dr Éber Dal Molin

    Oftalmologista

    CRM 19393

    Comente

Deixe um comntário

Cancelar